home
contato

 

 

 

CRÂNIO

ANATOMIA E POSICIONAMENTO

 

 

Observação:

Quase todas as imagens sobre incidências complementares foram cedidas gentilmente pelo site www.playmagem.com.br, em especial agradecimento ao colega André Siqueira, e cujos direitos autorais são reservados. Por isso o nome playmagem consta em todas as fotos retiradas do site. Proibido copia sem autorização.

www.playmagem.com.br

Especial agradecimento também ao site www.mundodaradiologia.com.br, um site criado e mantido por alunos da Escola Salute da TRM 8 que forneceu imagens para o site radioinmama.

www.mundodaradiologia.com.br

 

 

O crânio é a estrutura óssea que forma o esqueleto da cabeça. Situado na parte mais alta do corpo humano, ele é sustentado pela coluna cervical. Possui um formato oval e, é levemente maior em sua parte posterior do que na parte frontal. É composto por uma serie de ossos planos e irregulares, que são imóveis (exceção da mandíbula), totalizando 22 ossos. Pode ser dividido em face e o crânio propriamente dito.

O crânio propriamente dito é composto por 8 ossos, que se articulam firmemente para proteger o encéfalo.

Os ossos que constituem o crânio são:


Parietal - 2 ossos que formam as partes laterais superiores e o teto craniano.


Temporal - 2 ossos que formam as partes laterais inferiores do crânio. Na parte petrosa do osso temporal (interior da cavidade da orelha meia) ficam ossículos da audição: Martelo, bigona e estribo; processo mastóide; canal do nervo facial; canal carótico; processo estilóide, que da fixação ao osso hióide; o MAE; fossa mandibular, uma ponte óssea entre os ossos zigomaticos e temporal.

Ossos que formam a parte posterior e a maior parte da base do crânio:

Occipital - Osso que forma a parte posterior e a maior parte da base do crânio.

Esfenóide - constitui parte da base anterior do crânio, pode ser visto lateralmente e inferiormente. Lembra a forma de uma borboleta, tem uma cavidade aérea. O seio esfenoidal; a sela turca ou túrcica, onde abriga a glândula hipófise, também conhecida por glândula pituitária, a asa maior e a asa menor.

Etmóide - localiza-se na parte anterior do assoalho do crânio entre as órbitas, formando o teto da cavidade nasal.  Neste osso encontramos cavidades aéreas denominadas células etmoidais, uma crista que serve de fixação para as meninges do encéfalo chamada crista etmoidal; lamina cribriforme; a lamina perpendicular; as conchas nasais (suprema superior e media).

 

 

 

Fonte : http://www.youtube.com/watch?v=lx-55fp7v-c

crânio

Parietal 2 - Temporal 2 - Occipital 1 -  Frontal 1 - Etmóide 1 - Esfenóide 1.

 

 

Linhas de Posicionamento

 

LINHAS DO CRÂNIO

PVOPlano vertical do ouvido ou linha médio coronal: divide o crânio em partes anteriores e posteriores;

LGM – Linha globelo meatal: refere-se a uma linha entre a glabela e o meato acústico externo;

LOM – Linha orbito meatal: localiza-se entre o canto externo do olho e o MAE.

LIOM – Linha infra-orbitomeatal ou linha da base de REID: Liga a parte inferior da órbita ao meato acústico externo;

LAM – Linha acantiomeatal: Liga o acântio ao meato acústico externo; 

LMM – Linha Mentomeatal: São linhas formadas pela conexão do ponto mentoniano ao meato acústico externo;

PMS – Plano médio sagital: Divide o crânio em duas partes esquerda e direita) É importante no posicionamento preciso do crânio;

LIP – Linha interpupilar: É a linha que liga os dois canto dos olhos;

Chamberlain: É a linha que liga o palato duro a base do osso occipital;

LLM – Linha libiomeatal: É a linha da junção dos lábios com MAE;

LGA – Linha Glabeloaoveolar: É a linha que liga a glabela a um ponto na região anterior do processo aoveolar do maxilar;

LSOM – Linha supero obitomeatal: É a linha que liga o teto da órbita ao meato acústico externo;

 

INCIDÊNCIAS BÁSICAS DE CRÂNIO

AP DE CRÂNIO

 

Tirar todos objetos de metal, plástico ou outros objetos removíveis da cabeça do paciente. Fazer a radiografia com o paciente na posição ortostática ou pronada.

  • mundodaradiologia

PP: Fazer a radiografia com o paciente na posição ortostática ou em decúbito dorsal, dependendo das condições do paciente. Em pacientes com hipercifose, o posicionamento é melhor realizado em ortostático;

PPt: PMS (plano médio sagital) do crânio perpendicular na vertical ou sobre a LCM (linha central da mesa); LIOM (linha infra-órbito meatal) perpendicular ao plano da mesa  de exames;

Filme: 24x30 na longitudinal c/ Bucky.

Raio Central: perpendicular na vertical junto à glabela, paralelo a LOM;

Posição da parte : LIOM (linha infra órbito meatal) linha sagital e linha interpupilar PMS, LOM (linha infra órbito meatal) e linha interpupilar.

OBS: Alinhar as três linhas citadas à cima no Pt.A para que o crânio não fique rodado nem inclinado.  Esta incidência é utilizada para o estudo de traumas, lesões e moléstias das estruturas do crânio. A linha dos rochedos deve projetar-se no quadrante médio inferior das órbitas.

IC: Ocorrência de trauma e/ou quando houver sintomas que indicam anormalidades estruturais dentro do crânio como tumores ou hemorragias, calcificações e TCE. O RX do crânio é também utilizado para avaliar as anormalidades no formato da cabeça de uma criança. 

 

DFoFi- 1m

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

 

 

cranioradiografia

 

 

 

LATERAL DE CRÂNIO

 

mundoperfil
 

 

  perfilcranioo

 

Tirar todos objetos de metal, plástico ou outros objetos removíveis da cabeça do paciente. Fazer a radiografia com o paciente na posição ortostática ou deitada, semipronada(posição de Sim).

  • Colocar a cabeça em uma posição lateral verdadeira, com o lado de interesse próximo do filme e o corpo do paciente com obliquidade necessária para seu conforto. (Uma forma de avaliar a rotação é palpar a protuberância occipital externa posteriormente e o násio ou glabela anteriormente e garantir que esses dois pontos estejam á mesma distância do tampo da mesa.)
  • Alinhar o plano mediossagital paralelamente ao filme, garantindo que não haja rotação ou inclinação .
  • Alinhar a linha interpupilar perpendicularmente ao filme, garantindo que não haja inclinação da cabeça.
  • Ajustar a flexão do pescoço para alinhar a LIOM perpendicularmente á borda anterior do filme (LGA estará paralela á borda anterior do filme)=LGA- Linha Glabeloalveolar.

 

Raio Central:

  • Direcionar o raio central perpendicular ao filme.
  • Centralizar para um ponto cerca de 5cm superior ao MAE.
  • Centralizar o filme em relação ao RC.
  • DFoFi de 1m

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

 

INCIDÊNCIA AXIAL DE CRÂNIO

MÉTODO DE TAWNE

tawnemundo tawneb

 

tawnes

 

Tirar todos objetos de metal, plástico ou outros objetos removíveis da cabeça do paciente. Fazer a radiografia com o paciente na posição ortostática ou decúbito dorsal.

  • Abaixar o queixo, trazendo a LOM perpendicular ao filme. Para pacientes incapazes de flexionar o pescoço a essa extensão, alinhar a LIOM perpendicular ao filme. Adicionar um suporte radiotransparente sob a cabeça se necessário
  • Alinha o plano mediossagital ao RC e á linha média do porta-filme ou da mesa/superfície do bucky
  • Assegurar-se de que não haja rotação e/ou inclinação da cabeça.
  • Garantir que o vértice do crânio esteja no campo do raio X.

Raio Central:

  • Angular o raio central a 30º caudal em relação á LOM, ou 37º caudal em relação á LIOM.
  • Centralizar no plano mediossagital, 6 cm acima da glabela, ou atravessar aproximadamente 2 cm superior ao nível dos MAEs (sairá no forame magno).
  • Centralizar o filme ao RC projetado.
  • DFoFi- 1m

 

Observação: Dorso da sela e clinóides posteriores visualizados no forame magno indicam angulação correta do RC e flexão/extensão adequadas do pescoço. A angulação insuficiente do RC projetará o dorso da sela acima do forame magno, e a angulação excessiva projetará o arco anterior de C1 para o interior do forame magno em vez do dorso da sela.

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

 

CRÂNIO HIRTZ

 

 

PP: Posição em ortostático. Pode ser feito sentado em AP com a cabeça inclinada em 90º (melhor posição), encostado na estativa levantando bem o queixo, hiper estendendo o pescoço se possível. Se o paciente for incapaz de estender o pescoço o suficiente, angular o tubo de RX  conforme necessário p/ alinhar o RC junto ao PVO;

OBS: Esta incidência é muito desconfortável para o paciente, tenha todos os fatores ajustados antes de posicionar o paciente e complete a incidência o mais rápido possível;

Posição da parte: PMS na LCE (linha central da estativa) com extensão da coluna cervical deixando  o PVO (plano vertical do ouvido), perpendicular a estativa, LOM (linha orbitomeatal) paralelo em relação ao plano do filme;

OBS: Fazer o alinhamento das duas linhas citadas para que o crânio não fique rodado nem inclinado;

Filme: 24x30 na longitudinal c/bucky;

RC: Perpendicular (horizontal) ao filme passando pelo PMS (plano médio sagital) do crânio e entre uma linha imaginária entre os MAEs (meato acústico externo - passando através dos condutores auditivos externos);

Colimação: colimar nas margens externas do crânio;

Respiração: Livre;

DFF: 1m;

PTA: PMS (plano médio sagital), nariz e MAE (meato acústico externo);

Estruturas mostradas: visualização da base do crânio, zigomático, esqueleto facial, forame oval e espinhal, mandíbulas, seio esfenoidal, células etmóides posteriores, processos mastóides, cristas petrosas, palato duro, forame magno e osso occipital - ver slide na antomia e vídeo aula pelo link relacionado;

IC: indicações para investigação de lesões destrutivo-expansivas afetanto o palato, a região pterigóide e a base do crânio, investigação do esfenoidal, avaliar espessura média lateral da porção posterior da mandíbula, rotação condilar e avaliar fraturas do arco zigomático, calcificações e tce;

Texto escrito pelos alunos da Escola Salute da turma TRM 8 e revizado pelo Prof. Ronaldo Calil.

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

axial hirtzpronta

 

 

 

WATERS MENTO-NASO

 

waters

PP: Paciente em posição ortostático PA ou decúbito ventral, esse exame é melhor diagnosticado em ortostático pois possibilita visualizar os níveis hidroaéreos, pacientes com lábios carnudos pedir para morder os lábios para que não cause sobreposição. Utilizar cilindro de extensão.

Posição da parte: PMS na LCM (linha central da estativa), LMM (linha mento meatal) perpendicular a estativa. O ponto mentoniano deve estar encostado na LCM.

RC: Perpendicular ao acântio, entrando na órbita. O RC pode ser angulado em 5 graus caudal, para eliminar a sobreposição dos dentes superiores do seio maxilar.

DFF: cilindro encostado na calota craniana.

FILME: 24 x30, transversal dividido pelo cilindro de extensão.

CA: Visualizar seios frontal, maxilar e as conchas nasais (cornetos)

IC: Essa incidência é realizada para estudo de sinusites, avaliação das conchas nasais e desvio de septo nasal. Em crinças, onde alguns seios não estão ainda formados, estuda-se os cornetos (conchas nasais).

DFoFil- 1m

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

 

seiosface

 

Posicionamento incidências complementares

 

MASTÓIDE

 

 

mastoide

Processo Mastóideo em Oblíqua - Paciente em decúbito dorsal com o lado a ser radiografado mais distante da mesa de exame e sobre a L.C.M(Linha central da mesa).P.M.S( Plano Médio Sagital) ângulado 35 graus com a vertical..P.V.O (Plano Vertical da Orelha) angulado 55 graus com a vertical.P.H.A (Plano Horizontal Alemão) perpendicular ao plano do filme.

DFoFil- 1m

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

 

 

 

mastoideb mastoidec

 

Raio Central: perpendicular na vertical entrando no tragus. Este exame tem por objetivo visualizar as células aeradas inferiores..

 

mastoide

Projeção Lateral da Mastóide - Paciente em decúbito ventral com o lado a ser radiografado encostado na mesa de exames -P.M.S(plano medio sagital) perpendicular ao plano da mesa.P.V.O(Plano vertical da orelha) perpendicular com a mesa, e 2cm adiante da L.C.M, tendo o pavilhão auricular dobrado.P.H.A (Plano H. Alemão) perpendicular ao plano da mesa.R.C angulado 15 graus caudal, entrando 4 cm acima do C.A.E.

DFoFil- 1m

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

 

 

mastoide mastoidef

 

Visualizar as células aeradas superiores.

 

INCIDÊNCIA CHAUSSE

 

chausse

Incidências de Chausse I,II e III- Paciente com o lado a ser radiografado mais distante da mesa de exames-P.M.S angulado 15, 20 e 30 graus com a vertical -P.V.O angulado 75, 70 e 60 graus com a horizontal -P.H.A perpendicular ao plano do filme-R.C angulado 10 graus com a vertical, entrando na escama do temporal, próximo ao rebordo externo da órbita e saindo no occiptal.

chausseb

L.C.M = Linha Central da Mesa - P.M.S= Plano Médio Sagital---P.V.O= Plano Vertical da Orelha-P.H.A= Plano Horizontal Alemão- RC -raio central

 

radiologia chausseradio radiografiachausse

 

 

chausses

Paciente em decúbito ventral com o lado a ser radiografado mais próximo à mesa de exames.

DFoFil- 1m

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

 

 

INCIDÊNCIA DE STENVER

 

chauseSTENVER

P.M.S angulado 45 graus com a vertical -P.V.O ângulado 45 graus com o plano da mesa -P.H.A perpendicular à mesa com 1/3 médio da linha de Reid na L.C.M. -R.C angulado 12 graus cranial com a vertical, entrando na base do occiptal e saindo no 1/3 médio da linha de Reid do lado examinado. Visualizar pirâmide petrosa, canais semi-circulares e ouvido médio.

DFoFil- 1m

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

 

 

INCIDÊNCIA DE SHULLER I

 

lawshullerc

Incidência de Schuller I- A descrição deste posicionamento é igual ao da incidência de LAW, porém, com uma única diferença, ou seja, o R.C para essa projeção será angulado 30 graus caudal. Este exame tem como objetivo demonstrar também as células aeradas superiores, porém com uma maior ampliação.

 

DFoFil- 1m

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

 

 

INCIDÊNCIA DE SHULLER II

 

shullerd shullee shullerf

 

Shuller II - Demonstrar as estruturas anatômicas do ouvido interno (cóclea, vestibulo e canais semi-circulares).

DFoFil- 1m

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

 

 

INCIDÊNCIA PARA ARCO ZIGOMÁTICO

 

 

zigomaticoa ZIGOMA RADIOGRAFIAZIGOMA  

 

Esta incidência radiografica tem por finalidade demonstrar os arcos zigomáticos e o osso temporal. Existem "N" maneiras de se realizar este exame, veremos a seguir uma das maneiras mais fáceis, e em nossa opinião a que melhor demonstrar as estruturas desejadas.


Antes de posicionar o paciente é necessário ter em mãos os materiais que serão utilizados durante a realização do exame:

  • chassi 18x24 ou 24x30
  • apoio para as costas do paciente (travesseiro por ex.)
  • apoio para o chassi (travesseiro ou lençóis por ex.)

 

Solicitar ao paciente que se deite em decúbito dorsal, suas costas ficarão apoiada sobre o travesseiro de modo que a sua cabeça obrigatóriamente fique fletida para trás em hiperextensão, solicitar ainda que o paciente eleve o queixo até que a LIOM fique o mais paralelo possível ao filme.

Certificar-se de que não haja rotação na cabeça.

Repare nas ilustrações acima que o paciente ficou com o pescoço hiperestendido de modo que a sua cabeça ficou apoiada no chassi, repare também que o chassi está apoiado em um suporte, ficando em uma posição de aproximadamente 45°.

Raio Central: Devemos aproximar a ampola de Raios-X próximo ao peito do paciente, e em seguida angular o raio no sentido cranial. No exemplo acima o paciente tem uma fratura no Arco Zigomático D, o qual está indicado por uma seta.

DFoFil- 1m

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

Fratura com afundamento de zigomatico D - (Uso de filtro ósseo digital)

 

radiografiazigoma

 

 

OBLÍQUA ZIGOMÁTICO

 

Está incidência estuda separadamente cada arco zigomático. Para realizar esta incidência o paciente poderá ficar em ortostático, decúbito dorsal, ou até mesmo sentado. Isso vai depender das condições do aparelho e principalmente do paciente. Nas condições abaixo o técnico colocará o paciente sentado.

protecaoz

Proteção radiologica do paciente.

 

sentado

Centralizar o PMS (Plano médio sagital) sobre a LCM (linha central da mesa)e hiperestender o pescoço elevando o queixo até que a linha orbitomeatal fique paralela ao filme girar a cabela 15º para o lado de interesse.

sentadob

 

Raio Central: RC perpendicular a Linha infra orbitomeatal, incidindo no meio do osso zigomático. Obs: Solicitar ao paciente que prenda a respiração durante a exposição.

DFoFil- 1m

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

 

 

radio

Imagem obtida.

 

Incidência para estudo dos Zigomáticos

Oblíquas Póstero-Anterior semi-axial bilateral.

"Solidônio Lacerda"

 

Posição do paciente- O paciente deve estar em decúbito ventral, com o plano sagital mediano coincidindo com a linha da mesa.

Posição da parte- Linha Horizontal Alemã (LIOM) perpendicular a mesa, girar a cabeça para o lado oposto a ser radiografado de modo que o osso zigomático a ser examinado fique posicionado na linha central da mesa.

Raio central- Incide com angulação caudal de aproximadamente 25º em relação a LIOM (Linha Horizontal Alemã). Ou angulação de aproximadamente 37º em relação a LOM- (Linha Horizontal Americana), saindo no osso zigomático do lado a ser examinado ou seja, o lado mais próximo do filme.

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

Dfofil- 1m

Solidônio Lacerda solidonio

 

 

 

 

MANDÍBULA

 

Paciente em ortostático ou em decúbito dorsal.

 

mandibula

 

Paciente em decúbito lateral de modo que o lado a ser radiografado fique mais próximo ao plano do filme. Manter a cabeça do paciente em perfil, estender o pescoço de forma que não haja superposição das vertebras cervicais. Girar a cabeça em 15º, 30º e 45º para o lado de interesse. Cada angulação visualiza uma determinada região da mandíbula.

  • 15º Visão geral da mandíbula.
  • 30º Visão do corpo da mandíbula.
  • 45º Visão mento.

Raio Central: Com angulação de 25° entrando abaixo do ramo inferior da mandíbula oposta. Obs: Solicitar ao paciente que prenda a respiração durante a exposição.

DFoFil- 1m

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

 

 

PACIENTE ORTOSTÁTICO

 

PE

 

 

ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDÍBULAR

ATM DE FRENTE

Paciente em decúbito dorsal, com o plano médio sagital perpendicular a linha central da mesa. Fletir o mento a fim de deixar a linha orbitomeatal perpendicular. Plano médio sagital sobre a linha central da mesa e certificar-se que não haja rotação da cabeça.

atm

Raio Central: Com uma angulação de 30º caudal a partir da linha orbitomeatal ou 42º a partir da Linha infraorbitometal. Dirija o raio central para passar a 2,5 com anteriormente ao nível sa ATM e 5 cm anteriormente ao MAE.

 

Observações:

 

  • Prender a respiração durante a exposição;
  • Alguns protocolos departamentais recomendam, quando as condições do paciente permitirem que essas incidências sejam obtidas tanto na posição com a boca aberta , quanto na posição com a boca fechada para fins comparativos.
  • Chassis 18x24.
  • Colimar de forma que fique somente a área de interesse evidênciada.

DFoFil- 1m

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

 

atms

Estruturas visualizadas: côndilo da mandíbula, fossa temporomandíbular e processos condióides.

 

 

 

ATM BOCA -FECHADA

 

atmfechada

Paciente em decúbito ventral em posição de nadador, manter a cabeça em perfil de forma que o lado examinado fique próximo ao filme, manter a linha interpupilar perpendicular ao filme. Girar 15º a face em direção ao filme, mantendo a ATM sobre a linha central da mesa.

Raio Central: Com angulação de 15º a 20º caudal, incidindo a cima MAE (meato acústico externo) , se possivel usar cilindro de extensão.

  • Chassi 18x24: dividido transversalmente

bocafechada

 

 

ATM BOCA -ABERTA

 

BOCAABERTA

Paciente nas mesmas condições mencionadas a cima , porém ele permanecerá com a boca aberta durante a exposição. Observação: Realizar duas incidências, salvo quando haver suspeita de fratura, neste caso a incidência com a boca aberta não deverá ser realizada. Nos demais casos, as duas incidências devem ser realizadas uma com a boca aberta e outra com a boca fechada. Uma de cada lado. A ATM a ser radiografada é a mais próxima do filme, identificar no filme o lado radiografado e também as incidências.

Estruturas visualizadas: ATMs direita e esquerda, condilos mandíbulares

DFoFil- 1m

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

 

HIRTZ-SUBMENTOVÉRTICE

 

HIRTZ

Paciente preferencialmente em ortostático,levantar bem o queixo, hiperesticando o pescoço se possível até á LIOM estar paralela a superfície da estátiva. Certificar-se que não haja rotação da cabeça.

Raio Central: Raio central perpendicular á LIOM, incidindo a meio caminho entre os ângulos da mandíbula

  • Chassi 24x30 cm panorâmico na longitudinal e com o uso do bucky.

Observação 1:

Se o paciente é incapaz de estender o pescoço suficientimente, angular o tubo de raio X a partir da horizontal, conforme necessário para alinhar o raio central perpendicular á LIOM. Esta incidência é muito desconfortável para o paciente, portanto deixe todos os fatores ajustados antes de posicionar o paciente.

DFoFil- 1m

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

 

hirtzb

 

 

Observação 2:

O uso de cilindro de extensão só é usado em casos de avaliação dos seios paranasais. Se o interesse for avaliar base do crânio, pirâmides petrosas, etc... e necessário fazer sem o uso do cilindro.

 

 

 

 

PROCESSO ESTILÓIDE FRENTE

Paciente deitado em decúbito dorsal, Plano médio sagital sobre a linha central da mesa.

estiloide

 

 

Rotacionar o plano médio sagital do paciente 12º, em relação ao plano vertical, de modo que o lado radiografado, fique mais próximo do filme. Fazer uma linha imaginaria do incisivus superiores a ponta do processo mastóide.

Raio Central: angulado a 8º cranial , entrando no centro da boca, e saindo na base do processo mastóide.

DFoFil- 1m

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

 

estiloideb

 

 

PROCESSO ESTILÓIDE PERFIL

 

Paciente em decúbito ventral em posiçao de nadador, com o lado a ser radiografo mais próximo ao filme.

perfilestiloide

Raio central: angulado a 10º, entrando no ramo inferior da mandíbula oposta e saindo no meio do corpo do processo estilóide.

estiloide

estioloideperfil

radioestiloide

Observação:

  • Usar um chassi 18x24 panorâmico sem bucky,colocar o chassi abaixo do rosto do paciente de forma que o lado a ser radiografado fique próximo do filme
  • Fazer uso de cilindro de extensão, para obter mais contraste radiografico e diminuir a radiação espalhada.
  • Pedir ao paciente que mantenha a boca aberta e prender a respiração.

DFoFil- 1m

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

 

Observação:

Quase todas as imagens sobre incidências complementares foram cedidas gentilmente pelo site Playmagem, em especial agradecimento ao colega André Siqueira ,cujos direitos autorais são reservados,por isso o nome playmagem consta em todas as fotos retiradas do site.

Proibido copia sem autorização.

 

 

 

ATLAS E AXIS C1/C2

 

fuchsp

fuchsb fuchsd fuchsc

 

Paciente em decúbito dorsal ou ortostático, com os braços ao longo do corpo e o plano médio sagital (PMS) sobre a linha central da mesa (LCM). Ajustar a cabeça do paciente de modo que uma linha da margem inferior dos incisivos superiores passe até a base do crânio (processo mastoídeo) esteja perpendicular á mesa e/ou filme e angule o raio central em conformidade. Assegure-se que não haja rotação da cabeça e do tórax. A boca deve estar totalmente aberta durante a exposição.

Faça isso como ultimo passo, para que o paciente não precise ficar muito tempo com a boca aberta.

Raio Central: perpendicular ao filme, direcionado no centro da boca aberta.

DFoFil- 1m

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

 

 

 

MÉTODO DE FUCH

 

fuchsv

Está é uma incidência alternativa também para se visualizar principalmente o processo odontóide, pois muita das vezes a própria estrutura anatomica do paciente dificulta o posicionamento convencional, nos dados uma imagem cheia de sobreposições ósseas.

Para realizar a "INCIDÊNCIA DE FUCH", o paciente deve estar em decúbito dorsal com o plano mediossagital (PMS) alinhado ao RC e a linha média da mesa.

Eleve o queixo do paciente, o quanto necessário para trazer á LMM (linha mentomeatal) quase perpendicular ao tampo da mesa (ajuste o ângulo do RC conforme necessário para fazê-lo paralelo á LMM.

Garanta que não haja rotação da cabeça.

Raio Central: paralelo á LMM, direcionado para a ponta inferior da mandibula

DFoFil- 1m

Proteção: Colocar escudo de chumbo sobre a área gonadal.

 

 

 

fuchst fuchsw
 

 

 

 

 

incio